“25 de Abril – como um tempo de memórias” - Colégio S. Francisco de Assis Luanda Sul
18617
post-template-default,single,single-post,postid-18617,single-format-standard,cookies-not-set,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

“25 de Abril – como um tempo de memórias”

“25 de Abril – como um tempo de memórias”

O grupo de História do Colégio S. Francisco de Assis Luanda Sul organizou o 45.º aniversário do “25 de Abril”, com uma sessão comemorativa, em estreita colaboração com as docentes de Português e Educação Musical, com os alunos dos 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário, tendo também contado com a presença dos professores Dr. Aguinaldo Jaime e o Dr. Rui Peralta, do centro de Universidades Católicas de Luanda, Porto e Rio de Janeiro, os quais partilharam as suas memórias sobre o tema.

Aos alunos do 6.º Ano coube a interpretação das músicas intemporais – “Depois do Adeus” e “Grândola Vila Morena”, de Paulo de Carvalho e Zeca Afonso, respetivamente – ligadas ao desencadear da revolução do 25 de abril, de 1974, tendo também elaborado pequenos cravos de papel, que distribuíram pelos presentes.

Aos alunos do 9.º Ano coube a declamação do poema – “Pedra Filosofal”, de António Gedeão.

A aluna, Rita Carvalho, do 11.º B, declamou o poema – “Cantata da Paz”, de Sophia de Mello Breyner Andresen.

De um modo geral, os alunos presentes puderam perceber que os tempos que se seguiram ao golpe foram conturbados, tempos de aceso debate, no qual os portugueses participaram de forma ativa e empenhada, querendo contribuir para a construção de um Portugal novo que garantisse a todos a paz, o pão, a habitação, a saúde e a educação.

Mas a revolução de “25 de Abril” não significou apenas a libertação do povo português do jugo ditatorial. Significou também a concretização das legítimas aspirações dos povos irmãos de África. Decretou-se o fim da Guerra Colonial e iniciou-se o processo de descolonização que se traduziu nas independências, durante os anos de 1974 e 1975, de Angola, de Moçambique, da Guiné Bissau, de Cabo Verde e de S. Tomé e Príncipe.

 

O Grupo de História